segunda-feira , 15 / outubro / 2018
Início / Dicas e Destinos / 7 dicas de como viajar sem medo da alta do dólar

7 dicas de como viajar sem medo da alta do dólar

Não existe nada pior para um viajante apaixonado do que um época como estamos passando neste início de 2015. Com o dólar nas alturas, aquela sonhada viagem ao exterior certamente ficará mais cara, será adiada até que caiba no orçamento ou então as férias serão mesmo dentro do Brasil, o que é uma excelente opção.

Pensando em como amenizar essa situação preparamos um artigo com algumas dicas, que vão desde a melhor forma de comprar a moeda estrangeira até dicas de como encontrar passagens aéreas mais baratas. Boa leitura!!!

Planeje sua viagem => Encontre as melhores ofertas em hotéis

Reserve seu Seguro de Viagem com desconto!

1) Compare as taxas das casas de câmbio

Dicas para viajar com a alta do dólar
US $2 obverse“. Licença sob Domínio Público, via Wikimedia Commons.

Não compre moeda estrangeira online. É impossível negociar com o sistema e os poucos centavos que conseguir reduzir vão valer os minutos no telefone. Antes de ligar para a casa de câmbio, vale consultar o Ranking do Banco Central, que mostra quais foram os bancos e casas de câmbio com as melhores taxas nos últimos meses. Isso pode auxiliar na escolha. Nunca feche na primeira ligação, por mais que o atendente insista que não “conseguirá segurar a taxa”, vale a pena tentar com pelo menos três locais diferentes até conseguir baixar, no mínimo, cinco centavos do valor inicial.

Outra coisa é começar a negociar citando apenas metade do valor total que você quer e, no meio da negociação, perguntar quanto eles estão dispostos a ceder para que compre o dobro.

2) Evite o cartão de crédito

Se o câmbio está ruim agora, é melhor não arriscar que estará melhor quando a sua fatura chegar. O Imposto sobre Operações Financeiras, IOF, para compras no cartão é bem mais alto, se comprado ao “dinheiro vivo”. Essa diferença é de 6,38% contra 0,38%. O que não quer dizer que você deva viajar com bolos de notas. Para isso, existem os cartões pré-pagos, que cobram o mesmo IOF do cartão de crédito, mas com taxa de câmbio pré-definida e com direito a negociação.

Pergunte sobre eles na casa de câmbio ou banco. Vale a pena pagar no cartão apenas reservas em hotéis ou comunidades de hospedagem alternativa, como o Airbnb, e passagens aéreas.  E claro, sempre leve o cartão de crédito desbloqueado para alguma urgência.

3) Cartão de crédito com seguro viagem

Dá para economizar uma grana de seguro-viagem e seguro-saúde se o cartão de crédito incluir esses benefícios. Normalmente, as pessoas não prestam atenção e acabam pagando por seguros sem precisar. Além disso, alguns cartões também oferecem descontos em redes de hotéis, serviço de concierge e aluguel de carro. Vale a pena pesquisar esses diferencias para aproveitar ao máximo o cartão.  É possível saber mais a respeito, entrando no site da operadora do cartão ou ligando para a central de atendimento.

4) Sites de cupons de desconto

A alta do dólar não deixará os brasileiros menos consumistas durante as viagens, mas pode limitar bastante as compras. Por isso,  vale a pena listar as lojas que pretende visitar e procurar em sites de cupons de desconto, como a dealcatcher.com nos EUA,  para ver se é possível deixar a conta mais barata.  Dá para conseguir de 10% até 30% de desconto. Há também aplicativos que ajudam a encontrar os cupons, como o SnipSnap.

5) Otimize tempo e  dinheiro

Felizmente, não é preciso entrar em vários sites para saber qual companhia aérea ou agência de viagem está vendendo a passagem mais barata, os metabuscadores (ou comparadores de preços) como o Voopter, fazem isso para você em segundos e de forma gratuita. O mesmo vale para hotéis.

6) Formas alternativas de hospedagem

A primeira coisa que você precisa saber é que alternativo não significa desconfortável ou ruim. O Airbnb, por exemplo, permite alugar quartos ou casas inteiras por preços que são, em média, 30% mais baratos do que hotéis. Já no Worldpackers é possível trocar trabalho (em limpeza, bar, cozinha), por estadia em hostels pelo mundo. Nessa mesma linha, a rede WWOOF oferece hospedagem e alimentação em fazendas, em troca de meio período de trabalho (quatro horas) durante a semana. Quem quiser só descansar pode procurar o Couchsurfing, onde pessoas oferecem seu sofá ou quartinho de visitas de graça para os viajantes da rede. É seguro? Sim, desde que você escolha bem quem vai recebê-lo e confira as referências da pessoa.

7) Confira dicas de outros viajantes

vários blogs e comunidades legais de viajantes na internet, cheios de dicas práticas de como gastar menos e aproveitar melhor a sua viagem. Vale a pena acompanhar.

FONTE: VOOPTER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *